Buscas em Petrópolis seguem com ajuda dos Bombeiros

Servidores realizam velório simbólico do Fumprev
19 de fevereiro de 2022
Mulher grávida é agredida por namorado
21 de fevereiro de 2022

Buscas em Petrópolis seguem com ajuda dos Bombeiros

“O local está em completa devastação”, afirma Cabo David Canever, bombeiro militar de Porto União, enviado no sábado, 19, com a cadela Léia, para auxiliar nas buscas pelos desaparecidos em Petrópolis (RJ).

O binômio que integra a equipe catarinense no apoio aos demais militares e voluntários no Rio de Janeiro, passará até sete dias no trabalho. Segundo ele, as atividades iniciam às 6h e terminam às 21h, quando retornam para o alojamento, onde se recuperam para reiniciar as atividades no dia seguinte.

Alguns locais chegam a apresentar até oito metros de profundidade de barro e entulho. “A lama atingiu casas de três pavimentos e a lama está cobrindo tudo até o último andar”, diz. Outro agravamento para as equipes de busca são as condições climáticas, que seguem bastante instável, deixando o solo vulnerável e perigoso para atuação.

Binômio do Corpo de Bombeiros de Porto União integra equipe de resgate

O número de mortes chegam a 176, segundo informações do Corpo de Bombeiros. As equipes trabalham dia e noite no resgate de vítimas. Além dos corpos encontrados, os bombeiros retiraram 24 pessoas com vida.

Cães farejadores

Segundo informações da Agência Brasil de Notícias, há cães farejadores da Guarda Civil Municipal de Petrópolis e de outras corporações. São 35 cães atuando em locais como o Alto da Serra, Rua Teresa, Sargento Boening, Caxambu e Cremerie.

Neste domingo o número foi ampliado com o reforço dos binômios chegando a 45 cães. Eles foram enviados de estados e municípios como Teresópolis, Magé, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Santa Catarina. Também são aguardados quatro cães da Argentina e mais animais enviados pelo governo de Goiás e do Rio Grande do Sul.

De acordo com o responsável técnico e operacional do Grupamento de Operações com Cães de Petrópolis, Leandro Lopes, os cães tiveram uma participação importante no resgate de dezenas de corpos.

“Para que possamos dar mais velocidade e dinâmica ao trabalho, a partir do momento que fazemos a detecção e o animal dá o sinal de positivo, já partimos para outro ponto enquanto os bombeiros iniciam as escavações no local indicado. Por isso, não temos ainda um levantamento de quantas vítimas foram encontradas com vida ou não”.